Cidades

  1. Notícias
  2. Cidades
  3. Prefeitura diz que analisa pedido da Defensoria para anular eleição do Conselho Tutelar
Imagem: Divulgação / PBH

Prefeitura diz que analisa pedido da Defensoria para anular eleição do Conselho Tutelar

Prefeitura preferiu utilizar um sistema próprio nas eleições, mas falhas prejudicaram os votos


Por João Henrique do Vale

A Prefeitura de Belo Horizonte analisa a recomendação da Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais que solicitou novas eleições do Conselho Tutelar na cidade. A medida foi devido a falhas técnicas no sistema da Empresa de Informática e Informação do Município (Prodabel), do Executivo Municipal, que provocou lentidão e desistência da população na escolha dos conselheiros.  

Por meio de nota, a prefeitura informou que a recomendação foi recebida pela Prefeitura de Belo Horizonte, pelo Conselho Municipal dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes e pela Comissão Organizadora às 19h20 deste domingo (1º). 

“O processo de apuração e contagem dos votos, um dos pontos mencionados no documento, já estavam em curso no momento. Em relação aos demais pontos, o município, o Conselho e a Comissão responderão dentro do prazo citado no documento”, informou. 

No documento, a Defensoria recomendou que a prefeitura “interrompa imediatamente a apuração e contagem dos votos, de modo a evitar expectativas aos candidatos, bem como questionamentos sobre eventual favorecimento ou prejuízo a postulantes do cargo e, após avaliação das atas e boletins eleitorais de cada sessão, anule a fase de votação do 10º Processo de Escolha para Conselheiros e Conselheiras Tutelares de Belo Horizonte, antes da divulgação de resultado e realize novas eleições em no máximo 30 dias”.

A prefeitura de Belo Horizonte preferiu utilizar um sistema próprio, ao invés de utilizar as tradicionais urnas eletrônicas que são cedidas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG). Porém, nesse domingo, o sistema da Prodabel teve instabilidade. Falha que provocou longas filas nos locais de votação. Muitos moradores desistiram e não votaram. 

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) recomendou a prorrogação das eleições, o que foi acatado pela prefeitura. A votação seguiu até 18h30 feito por meio de célula impressa. “A votação está sendo realizada nas nove regionais da cidade, e os cerca de 27 mil votos já computados via urna eletrônica serão validados”, disse a prefeitura ainda na tarde de domingo. 

Colunistas

Carregando...

Saiba mais