Internacional

  1. Notícias
  2. Internacional
  3. Fronteira de Rafah entre Gaza e Egito é reaberta, diz embaixada
Imagem: Wikimedia Commons / Reprodução

Fronteira de Rafah entre Gaza e Egito é reaberta, diz embaixada

Segundo embaixador Candeas, aguardamos que brasileiros entrem na lista


Por Agência Brasil

A fronteira que liga a Faixa de Gaza ao Egito foi reaberta nesta segunda-feira (6) após dois dias fechada, informou o Escritório de Representação do Brasil em Ramallah, na Cisjordânia. A fronteira de Rafah estava fechada desde que Israel bombardeou ambulâncias usadas para transportar feridos.

Segundo o embaixador do Brasil na Palestina, Alessandro Candeas, estão passando na fronteira os estrangeiros e os feridos autorizados a sair de Gaza nas listas anteriores. Isso porque, pelo segundo dia consecutivo, não foram divulgadas novas listas de estrangeiros autorizados a deixar a Faixa de Gaza.

“Aguardamos agora que os brasileiros entrem na lista de autorizados”, disse o embaixador. A última lista divulgada no sábado (4) tinha o nome de 599 estrangeiros, entre esses, 386 com passaporte dos Estados Unidos, 112 do Reino Unido, 51 da França e 50 da Alemanha.

Este foi o quarto grupo de estrangeiros ou residentes com dupla nacionalidade que as autoridades egípcias e israelenses, com a anuência do governo estadunidense, autorizaram a ingressar em território egípcio.  

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira, conversou com o ministro do Exterior de Israel, Eli Cohen, na última sexta-feira (3). Segundo o chanceler brasileiro, o ministro israelense deu garantias de que até esta quarta-feira (8) os brasileiros na Faixa de Gaza passariam pela fronteira com o Egito.

Um grupo de 34 brasileiros espera desde o início da guerra autorização para deixar Gaza. Eles estão divididos entre as cidades de Rafah e Kahn Yunis, no sul do enclave palestino. O brasileiro Hasan Rabee, de 30 anos, informou nesta segunda-feira (6) que está muito difícil achar comida e que não há água potável para beber. Já os alimentos são cozidos em fogões a lenha.

“Cada dia é pior que o outro. Água não tem mineral, estamos tomando água encanada. Hoje 31 dias sem energia. O mais difícil agora é encontrar alimentação. Além da guerra e do bombardeiro, outro sofrimento é a comida. Muita gente passa fome”, afirmou.

Colunistas

Carregando...

Saiba mais