Opinião

  1. Notícias
  2. Opinião
  3. Valorizando em MG a cadeia econômica interna da siderurgia. Interação da mineração e Silvicultura
Imagem: Reprodução

Valorizando em MG a cadeia econômica interna da siderurgia. Interação da mineração e Silvicultura


Ênio Fonseca

Notícias

Engenheiro Florestal especialista em gestao socioambiental, gestor de sustentabilidade na AMF. CEO da Pack of Wolves Assessoria Socioambiental, Conselheiro do FMASE. Foi Superintendente do Ibama, Conselheiro do Copam e Superintendente de Gestão Ambiental da Cemig. Membro do IBRADES.


 Durante o Vº Encontro Nacional das Cidades Mineradoras coordenado pela AMIG - Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil, que aconteceu em Belo Horizonte, nos dias 19 e 20 de setembro, foi discutido um tema da maior importância para a sociedade brasileira, e em especial a mineira, que é a priorização do desenvolvimento da indústria siderúrgica nacional.

 Na abertura do evento foi assinado um Protocolo de Intenções entre a AMIG,  o Sindicato da Indústria do Ferro do Estado de Minas Gerais  (Sindifer), e a Associação de Mineradoras de Ferro do Brasil (Amfbr). O termo tem por objeto a cooperação mútua das partes para realização de debates, proposição e execução de ações relacionadas ao desenvolvimento sustentável da indústria siderúrgica de Minas Gerais, de modo a resguardar as condições de preferência e/ou prioridade no mercado no que tange à matéria prima necessária para a transformação mineral, de segurança operacional, das pessoas e do meio ambiente, bem como contribuir para manter um horizonte perene de segurança jurídica e competitividade plena ao setor siderúrgico mineiro e brasileiro, devendo ser constituído um Grupo de Trabalho entre os signatários e a participação de outros atores para discutir estratégias para incrementar a cadeia econômica do ferro gusa.

A indústria siderúrgica a carvão vegetal produz o ferro gusa , a partir do minério de ferro,  um insumo para a produção de de aço, inclusive o aço verde, sendo um segmento importante na economia nacional, e que tem um grande potencial de crescimento.

O setor de produção de Ferro Gusa no Brasil, formado pelas usinas independentes, encerrou o ano de 2022 com 60 usinas e uma capacidade instalada de 692.400 t/mês. Têm as seguintes localizações: 53 na Região Sudeste (51 em Minas Gerais e 02 no Espírito Santo), 04 na Região Norte/Nordeste (03 no Pará e 01 no Maranhão) e 03 na Região Centro Oeste (todas no Mato Grosso do Sul).

O número total de empregos do setor siderúrgico  em MG, no ano de 2022 foi de 124.473. Minas Gerais exportou em  ano passado   2.565,46 ( em 1.000 t)

O Instituto Brasileiro de Mineração- IBRAM,  em seu relatório setorial, mostrou que  setor registrou no primeiro semestre de 2023, faturamento de R$120 bilhões. O minério de ferro se destacou com um faturamento de R$70,1 bilhões, com participação de 58% O recolhimento de tributos e encargos foi de R$ 41,4 bilhões, e a arrecadação de CFEM foi de R$ 3,4 bilhões

O saldo da balança comercial do setor mineral foi de US$ 13,66 bilhões, que equivale a 30% do saldo da balança comercial brasileira.

 Ainda de acordo com o Instituto, o minério de ferro é uma das principais commodities do mundo, e o Brasil é um dos maiores produtores mundiais, sendo que deste minério foram exportados em 2022, 344,1 milhões de toneladas , gerando uma receita de R$ 153,5 bilhões, equivalente a 61% da receita total de minerais exportados.

 No entanto , quando comparamos a produção de ferro no mundo entre os anos de 2007 e 2021, numa análise feita pela Western Australia iron ore profile-March 2023, em milhoes de toneladas, vimos que a Austrália passou de 40 para 900, um salto de 2.150%,  a India passou de 140 para 240, um crescimento de 71%, o Canadá, de 30 para 68 , crescimento de 127% e o Brasil saiu de 355 para 380 um aumento insignificante de 7%.

 Observando a importância que a produção de minério tem para o Brasil, os números robustos que ele representa na matriz de exportação, sua grande utilização na produção de inúmeros produtos utilizados pela sociedade diariamente, como na construção civil, veículos diversos e equipamentos de toda serventia, cabe uma reflexão. Porque nossa produção se mantém nos mesmos patamares a mais de 15 anos?

 Quando observamos a produção mundial de aço, uma das mais nobres transformações que o minério de ferro pode ter, observamos em levantamento feito pelo Word Steel também um crescimento da produção mundial, que passa de 1.563 milhões de toneladas para 1.885 em 2022, e neste segmento o Brasil tem representatividade desprezível de 34,1 milhões de toneladas de aço bruto, levando o país a ocupar apenas a 9ª posição no ranking da produção mundial.

Com certeza o Brasil possui significativas reservas de minério de ferro de boa qualidade, capazes de ampliar significativamente sua produção, dominando a mesma tecnologia de exploração dos países líderes.

Da mesma forma, as empresas que produzem aço dominam as melhores tecnologias, adotadas nos países que mais produzem aço no mundo.

E a mineração e a silvicultura, que compõem a base da siderurgia brasileira, vem incorporando cada vez mais  tecnologias e os princípios ESG em seus processos.

Para aumentar internamente o uso do minério de ferro, produzindo mais ferro gusa e aço verde, nosso gargalo estaria na falta de capital para alavancar o aumento da produção desta cadeia? Estaria na falta de infraestrutura de transporte, na rigorosa legislação ambiental, tributária, trabalhista e aduaneira? Estaria no custo final dos produtos de toda a cadeia, no mercado para aumento na exportação ou no consumo interno,  ou numa visão reativa da sociedade para com toda a cadeia produtiva da mineração?

Faltariam novas políticas públicas setoriais (tributárias, regulatórias, trabalhistas, ambientais) para alavancar a produção e os resultados economicos em toda a cadeia, em especial a interna?

Um grande desafio para o SINDIFER, AMIG e AMF.

Ficam aqui estas reflexões.

* Esta coluna tem caráter opinativo e não reflete o posicionamento do grupo.
Colunistas

Carregando...


Saiba mais